Selecionar menu

Anúncio

Slider

Variedades

Veja nossa série especial

Performance


Cute

My Place

DONA CISLENE

Anúncio


Videos

» » » » » » » » » AS FALCATRUAS DO CERRADO: O Maior São João sob suspeita
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Série de reportagens do Brasília Pop mostra detalhes das investigações contra o evento O Maior São João do Cerrado




Por Elijonas Maia

Há oito anos, Ceilândia recebe um dos eventos mais importantes do calendário cultural do Distrito Federal, O Maior São João do Cerrado. Grandes nomes da música brasileira se apresentam no palco para milhares de pessoas durante três dias. O espetáculo recebe dinheiro público e privado para se manter de pé. E não é pouco dinheiro; são milhões de reais a cada edição. No entanto, este ano a festa está ameaçada por causa de grandes investigações de indícios de desvios de verba, lavagem de dinheiro, superfaturamento e falta de pagamento de funcionários.

A Promotoria de Justiça Regional de Defesa do Patrimônio Público do Ministério Público do Distrito Federal abriu inquérito civil para apurar eventuais ilegalidades na contratação e realização do Maior São João do Cerrado, no Ceilambódromo, entre 10 e 14 de agosto do ano passado, quando se comemorou os 40 anos da cidade. O inquérito foi enviado à Administração de Ceilândia, onde o MPDFT pdiu que fossem apresentados os processos originais em relação à contratação e realização da festa. O documento foi assinado pela promotora Juliana Ferraz da Rocha Santilli em 23 de setembro de 2014. Em 17 de outubro, no entanto, a Administração da cidade respondeu que não realizou nenhuma contratação referente ao evento. Mas o MPDFT não aceitou e continua a investigação.

De acordo com os organizadores da festa, no ano passado a empresa Edilane Produções recebeu cerca de R$ 5,5 milhões para o espetáculo. A verba veio de meios públicos e privados (patrocínio). Os custos seriam para os funcionários, cachês e outras despesas. Mas os indícios são de que parte do dinheiro sumiu. Ninguém sabe, ninguém viu.

A reportagem teve acesso aos documentos que justificariam a liberação das verbas para a realização do evento em 2014. Eles mostram planilhas assinadas por três empresas que teriam participado da concorrência pública. No entanto, representantes destas empresas negam a autoria das assinaturas no contrato, e responderam que quem organizou a festa foi a ECO Organização de Eventos e Consultoria, que está no nome do marido da presidente do IBI. A contratação da empresa foi publicada no Diário Oficial do DF.



CALOTE
Planilhas extensas mostram gastos estimados para os mais de 2 mil funcionários que realizaram o evento, que reuniu cerca de 750 mil pessoas em cinco dias. Só que alguns dos gastos de R$ 5,5 milhões não batem com os números apresentados pelos prestadores de serviços contratados. A empresária Miriam Fonseca afirma que deveria ter recebido R$ 80 mil  pelo serviço de comida e bebida aos convidados, mas o gasto estimado nos documentos era de R$ 131 mil. A outra parte, cerca de R$ 51 mil, não foi declarada.

"Não recebemos nada, nem do casamento coletivo e nem dos camarotes. A gente teve que fazer empréstimo no banco, estamos pagando até hoje e já estamos no prejuízo. Quando procurei a Edilane Oliveira (organizadora), ela disse que dependia do GDF para fazer o pagamento do bufê. Só que descobri, por meio de documentos, que o bufê deveria ser pago por meio de patrocinadores.

A produtora de eventos Érika Struck, organizadora-geral da festa em 2014, também reclama da falta de pagamentos por serviços prestados. "Ela tira de todo mundo. Todos os que trabalharam, ela tentava fechar o menor valor possível com todos que trabalharam e forçava a gente assim: a gente trabalhava horas e horas para o evento acontecer. Só que por trás tem toda essa corrupção, né? Tirar dinheiro de quem trabalhava para o evento acontecer. Mas só que é um evento que gera um custo de quase R$ 5 milhões sendo que poderia ser R$ 2 milhões e acontecer direito todo ano", critica.


À frente da Edilane Produções e do IBI, Edilane Oliveira se mostrou surpresa com as denúncias e fez referência ao caso do decorador Netto Galvão, que teria fugido para a França após problemas na realização de dezenas de casamentos e formaturas no DF, num calote que chega a R$ 1,6 milhão. Sobre o atraso nos pagamentos, a empresária diz que não tem a menor noção do que seja, e como não tenho nada a temer. “Meu endereço é o mesmo, não fugi para Paris, o telefone é o mesmo. Várias pessoas que trabalham com a gente estão aqui. Não faço ideia do que estão falando de denúncias, porque a gente nunca trabalhou tirando ou ludibriando ninguém”, justificou.

Amanhã, na segunda reportagem da série "As falcatruas do Cerrado", você vai ver que, além do MPDFT, O Maior São João do Cerrado é investigado pelo MPF, TCDF e TCU.




ELIJONAS MAIA / BRASÍLIA POP
brasiliapop@brasiliapop.com
Fotos: Divulgação

Sobre Elijonas Maia

Elijonas Maia, 23 anos, é fundador e diretor-geral do Brasília Pop. Começou na internet em 2008, escrevendo para sites especializados na área de TV. Colaborou com o extinto TV Audiência e foi colunista semanal. Escreveu para a revista E-teen até criar o blog Pecevejo, de Variedades, ultrapassando 1 milhão de visitas em menos de um ano. Foi eleito pelo canal pago Multishow uma das 500 pessoas mais influentes do Twitter. Fora do mundo virtual, o jornalista já trabalhou no Jornal Satélite, Revista Freedom, Associação dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Correio Brazilliense, TV Record Brasília e atualmente é repórter do Diário do Poder.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Deixe um comentário

Anúncio