Header Ads

Exposição "Street Art" é atração na Caixa Cultural Brasília até janeiro de 2015


A Caixa Cultural Brasília recebe, até 11 de janeiro de 2015, na Galeria Principal do espaço, a exposição Street Art –- Um panorama urbano, mostra coletiva que reúne trabalhos de artistas representativos da street art do Brasil e de países como Inglaterra, Itália, França, EUA e Portugal. A curadoria do encontro, que já passou por São Paulo e Rio de Janeiro, é da portuguesa Leonor Viegas e tem como objetivo traçar um panorama deste segmento no mundo.

“Um dos méritos do encontro é levantar a discussão do que é street art hoje e como o mercado do segmento está aquecido”, observa a curadora Leonor Viegas. “As obras de arte desses artistas mantêm seu fervor político, social e, ao mesmo tempo, são pop”, destaca.


São atrações do evento o inglês Banksy, os franceses Jef Aerosol e Rero, os portugueses Vhils e ±MaisMenos±, os brasileiros Nunca e Herbert Baglione, os italianos StenLex e Pixel Pancho, além dos americanos HowNosm. Com estilos e olhares diferentes, os artistas apresentam, no espaço, obras desenvolvidas a partir das mais variadas técnicas como pintura, estêncil, colagem, mosaico, instalações, resina, carimbo, montagem e até esculturas.



Os artistas
Banksy (Inglaterra) - http://banksystreetart.tumblr.com
Começou a carreira como um artista de grafite no começo de 1990, em Bristol, no Interior da Inglaterra. Sua verdadeira identidade é desconhecida, já sua arte é caracterizada por imagens impressionantes, muitas vezes combinadas com slogans. Seu trabalho mudou o olhar sobre a arte de rua. Com spray, faz críticas políticas à sociedade e à guerra, mas sempre com um humor sombrio e irônico.

Jef Aerosol (França) - http://www.jefaerosol.com/
Jean-François Perroy, mais conhecido sob o pseudônimo de Jef Aerosol, nasceu em Nantes (França), em 1957. É um dos pioneiros do que hoje é chamado "arte urbana" e uma referência para os artistas de rua da nova geração. Costuma pintar celebridades e ícones - como Elvis Presley, Gandhi, Lennon, Jimi Hendrix, Basquiat, Amalia Rodrigues e Bob Dylan -, mas uma parte muito significativa do seu trabalho é dedicado aos personagens anônimos, como artistas de rua, transeuntes, mendigos, crianças, idosos e pessoas comuns.

Francisco Rodrigues da Silva, conhecido como Nunca, é um dos mais importantes grafiteiros do Brasil. Utiliza a técnica do grafite para criar imagens que confrontam um Brasil urbano e moderno com seu passado nativista. Sua tag - Nunca - afirma sua determinação em não estar vinculado a restrições culturais ou psicológicas. Sua obra O Drible foi feita especialmente para o Edição de Arte Impressa Oficial da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. Ele retrata um jogo de futebol de rua.

Herbert Baglione - (Brasil)
Herbert Baglione teve seu primeiro contato com o grafite em 1992. Em 1999 começou a explorar o espaço urbano de forma única a partir d o seu interesse em arquitetura e fotografia. Neste mesmo ano o artista pintou sua primeira sombra em São Paulo. O projeto, que leva o nome de 1000 Shadows, começou há 15 anos e visitou diversos Países como Estados Unidos, França, Espanha, Itália, Alemanha e Tunísia. Mas foi na cidade de Parma na Itália, em 2013, que Herbert teve a credibilidade artística discutida em diversas mídias internacionais pelo fato de ter pintado um hospital psiquiátrico abandonado.


Vhils – (Portugal) - http://www.alexandrefarto.com/
Artista português Alexandre Farto, conhecido como Vhils, não cabe em um rótulo; ele cria em diferentes estilos. O artista desenvolve uma técnica de desconstrução para criar rostos, paisagens e mensagens que encantam o público. Publicidade de outdoors, gesso e materiais não convencionais - como ácido e água sanitária - são utilizados em sua criação. Ele mostra que ícones da sociedade de consumo podem ser sutilmente convertidos em objetos que sensibilizam a humanidade.


±MaisMenos± - (Portugal) - http://maismenos.net/
O artista português Miguel Januário estudou design gráfico, mas foi a experiência como grafiteiro que lhe deu uma nova perspectiva sobre como usar o espaço público. Responsável pelo projeto ±MaisMenos±, espalhou o símbolo ± pelas cidades, até que começou a despertar a atenção da mídia.

StenLex – (Itália) - http://stenlex.net/ 
Stan (de Roma) e Lex (de Taranto), ambos nasceram em 1982 e trabalham juntos desde 2000. Pioneiros em seu uso de estêncil, na Itália, a dupla investe nas ruas de Roma desde 2001. Eles obtiveram rapidamente fama internacional graças aos impressionantes retratos de pessoas anônimas colados nas cidades de todo o mundo. Sua arte é feita de milhares de tiras de papel, que compõem retratos de pessoas que os artistas fotografam, encontrados entre os álbuns de família ou que s ão apenas pessoas anônimas.

Rero (França) - www.reroart.com
Nascido em 1983, Rero já expôs em muitas instituições públicas, como o Centro Georges Pompidou, o Musée en Herbe, o Musée de la Poste, Confluências em Paris ou a Antje Øklesund, Berlim. Mais recentemente seu trabalho recebeu inúmeras exposições na França, Estados Unidos, Itália, Alemanha e Suíça. Sua técnica transita entre a arte urbana e arte conceitual. Rero questiona o contexto da arte, bem como os códigos que governam imagens e propriedade intelectual com uma sigla que surge regularmente em suas peças: WYSIWYG (What You See Is What You Get - O Que Você Vê é o Que Obtém).


Serviço
Street Art – Um panorama urbano
Local: Galeria Principal
Abertura: 25 de novembro, às 19h
Visitação: de 26 de novembro de 2014 a 11 de janeiro de 2015, de terça-feira a domingo, das 9h às 21h 
Informações: (61) 3206-9448 e (61) 3206-9449
Agendamento de visitas monitoradas e oficinas: (61) 3206-9892
Classificação indicativa: livre para todos os públicos
Entrada franca


BRASÍLIA POP
brasiliapop@brasiliapop.com
Foto: Divulgação

Tecnologia do Blogger.