Header Ads



Projeto Sarau celebra grupos e formas de exclusão

 Música, dança, cinema, literatura, artesanato e artes visuais estão na programação

Minorias étnicas ou culturais, deficientes físicos e mentais, desempregados, analfabetos, idosos, homossexuais podem fazer parte de grupos excluídos socialmente. Para mostrar a força e a capacidade criativa de algumas dessas minorias, o Projeto Sarau da Casa da Cultura da América Latina da UnB realiza, no dia 25 de outubro (sexta-feira), às 20h, no Auditório 2 do Museu Nacional da República, com entrada franca, o evento Exclusão. O tema será enfocado pela perda de liberdade, por deficiências físicas, por incompreensão e preconceito, pela educação excludente e pela perda de amor e afeto.

Feito em parceria com o Programa Música no Museu, o Sarau Exclusão terá na sua programação inúmeras linguagens artísticas: música, dança, cinema, literatura, pintura, escultura e artesanato inspiradas nessas minorias, ou produzidas por integrantes desses grupos  vítimas de preconceito que sobrevivem à margem da  lógica da sociedade tradicional.

Obras das artesãs do grupo Concretamente Brasília; bonecos que retratam heróis anônimos esquecidos e excluídos da história oficial da Venezuela, gentilmente cedidos pela embaixada desse país no Brasil; objetos de cerâmica da artista Marta Guedes, esculturas figurativas de Flávio Luís Silva, ambos deficientes visuais e pinturas acrílicas de Clênio Ventura, tetraplégico, estarão expostos no hall de entrada do auditório na noite do evento.


O poema A Iinfanticida Maria Ferrar, do dramaturgo alemão Bertolt Brecht, interpretado pela deficiente visual Noeme Rocha da Silva,  abre o Sarau. A leitura será seguida pelo curta-metragem De muro a muro (2008, 20 minutos), das cineastas brasilienses Rebeca Damian e Marina Watanabe, sobre as experiências, anseios, angústias e sonhos de três mulheres que passaram pelo Presídio Feminino de Brasília.

Logo depois, a dança e a música tomarão conta da festa. Estarão no palco o grupo da Associação Cultural Namastê,  voltado para a inclusão das pessoas com deficiências, apresentando uma dança cigana. O violonista Danilo Froes vai demonstrar as distinções entre o violão clássico e popular.

O Grupo Mafuá, criado em 2012, conhecido pela confusão que provoca quando troca seus instrumentos em diferentes momentos do show, será o responsável pelo momento da Exclusão Musical Histórica, e o cantor brasiliense Fernando Cabral vai interpretar um personagem anônimo, escravo da bebida e excluído do amor e do afeto, encerrando a noite com sucessos de compositores discriminados  por parte da elite social como Garçom (Reginaldo Rossi),  Boate azul (Joaquim & Manoel), Pra não morrer de tristeza (João Silva e Caboclinho), Lama (Aylce Chaves e Paulo Marques) e Na hora do adeus (Chico Roque e Carlos Colla).

Serviço
Projeto Sarau Exclusão
Dia 25 de outubro de 2013 (sexta-feira), às 20h
Local: Auditório 2 do Museu Nacional da República (Conjunto Cultural da República/Esplanada dos Ministérios)
Entrada franca
Classificação livre
Informações:61.33215811 ou www.casadacultura.unb.br 


BRASÍLIA POP
brasiliapop@brasiliapop.com
Fotos: Divulgação
Tecnologia do Blogger.